quinta-feira, 26 de maio de 2011

Ativistas ambientais são executados no Pará e vaiados na Câmara dos Deputados quando suas mortes foram anunciadas!!!


Zé Claudio e Maria, ativistas ambientais assassinados por defender a floresta
(Foto CNS)


Ativistas ambientais são executados no Pará e vaiados na Câmara dos Deputados quando suas mortes foram anunciadas!!!

Por Andre Luiz Santos Monteiro, Marise Jalowitzki, Miguel Jorge, Carlos Mendes e Daniela Chiaretti
26.maio.2011
http://t.co/gd4YmhS

Andre diz:
"Fico muito indignado por um ato que, sabemos, parece que pre-sentimos que iria acontecer, e aconteceu de forma muito trágica, ainda arrancaram uma orelha que supostamente o bandido iria levar para o co-assassino, algum ruralista, pecuarista da região, vai saber...  a prova da crueldade.  

Quando um casal dessa envergadura morre, um pedaço do progresso da Amazônia morre junto, porque o medo toma conta, quem quer morrer pela natureza?  ninguém quer virar lenda, querem ficar vivos. Com isso continuamos vendo o progresso da Amazônia decair a cada dia, e um buraco sem fim, aliás, um dia vai ter fim.

Fica meu luto.
A palestra do José Claudio na conferência TEDxAmazônia por favor confiram. abraços"
Andre Luiz Santos Monteiro
--------------

Chico Mendes hoje também é lembrança viva



Marise diz:
"Quando Chico Mendes foi assassinado, houve um silêncio por anos. O medo se instala. Quem quer morrer, ainda que a causa seja assim nobre?

Eles denunciaram que vinham sendo ameaçados.
Até quando os instintos de barbárie vão ser a tônica das ações humanas?

As coisas não se resolvem assim!

Negociação, pressão, diálogo, leis, aplicação de leis. Diminuição da corrida desenfreada pelo lucro imediato a qualquer custo. Crescimento compartilhado. Temos tanto a aprender!"


Casa onde morou Chico Mendes, hoje ponto de visitação, também foi rondada à noite pelos assassinos



Irmã Dorothy Stang, covardemente assassinada com um tiro nas costas, no Pará, por defender a floresta e os seus povos.

Ela não acreditava que poderia ser morta. Estava convicta do bem que praticava e não dimensionou o egoísmo e a maldade de alguns, que matam sem piedade para conservar seus lucros.

Queríamos os líderes ambientalistas vivos!

----------



Ativistas ambientais são executados no Pará
A reportagem é de Carlos Mendes e publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, 25-05-2011.


De acordo com testemunhas, o casal foi surpreendido por pistoleiros na estrada que leva ao assentamento agroextrativista Praia Alta Pirandeira, uma área de 22 mil hectares à margem do lago da usina hidrelétrica de Tucuruí. No local vivem cerca de 500 famílias. José Cláudio e Maria eram conhecidos na região como defensores da floresta.

Familiares afirmaram que nos últimos dias alguns homens "em atitudes estranhas" estavam rondando a residência do casal, principalmente à noite. Eles contaram ainda que, para intimidar, os suspeitos disparavam tiros para o alto e depois desapareciam.

Há suspeita de que os homens estariam a serviço de madeireiros incomodados com a vigilância que o casal exercia para que as florestas em volta do assentamento não fossem derrubadas. Segundo os familiares, até animais da propriedade do casal foram mortos como aviso para que eles parassem com as denúncias de desmatamento.

O secretário de Segurança Pública, Luiz Fernandes Rocha, enviou uma equipe de peritos e um grupo de policiais civis para apurar as circunstâncias dos crimes. Segundo Rocha, o governo do Pará realizará todos os esforços necessários para que os assassinatos não fiquem impunes.

"O Estado não vai tolerar mais esse tipo de violência em nosso território. Mobilizamos uma grande equipe para ir até o local e investigar o problema e, se possível, voltar com os responsáveis presos", afirmou o secretário. O delegado-geral adjunto de Polícia Civil, Rilmar Firmino, está coordenando a equipe e chefiará pessoalmente as investigações.

Vigilância

Toda a área da reserva extrativista do assentamento é rica em espécies de madeira nobre, como angelim e jatobá. A propriedade do casal tinha 80% da mata preservada. Eles viviam há 24 anos na região e faziam parte da Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), uma organização não governamental criada por Chico Mendes, assassinado no Acre na década de 80 por também defender a floresta amazônica.

Para o diretor da Regional Belém do CNS, Atanagildo Matos, as vítimas deixam uma lição: permitir que o povo da floresta possa viver com qualidade, de forma sustentável, com o meio ambiente. Ele pediu que o Ministério Público Federal e a Polícia Federal investiguem o caso.

Em nota, o Fórum da Amazônia Oriental (FAOR) condenou o assassinato, afirmando que o casal estava "marcado" para morrer. "Mais uma vez tombam aqueles que insistem em defender a floresta", diz o manifesto, exigindo que as autoridades investiguem com seriedade o crime e prendam os mandantes e executores para que o fato "não faça parte da imensa lista de impunidade que assola o Pará".

Investigação

O Ministério Público Federal enviou ofício para a Polícia Federal pedindo que acompanhe as investigações sobre o assassinato do castanheiro José Cláudio Ribeiro da Silva e de sua mulher.

----------
A inacreditável vaia ocorrida na Câmara dos Deputados ao ser anunciada a morte do casal, dá a dimensão do ódio e ganância que impera na questão do desmatamento X a preservação da floresta


Ruralistas vaiam anúncio de morte


Era perto das 16h quando uma cena grotesca aconteceu no plenário da Câmara dos Deputados. O líder do Partido Verde, José Sarney Filho, lia uma reportagem sobre o extrativista José Claudio Ribeiro da Silva, brutalmente assassinado pela manhã no Pará, junto com sua mulher Maria do Espírito Santo da Silva, também uma liderança amazônica.
Ao dizer que o casal que procurava defender os recursos naturais havia morrido em uma emboscada, ouviu-se uma vaia. Vinha das galerias e também de alguns deputados ruralistas.
A indignidade foi contada no Twitter e muito replicada. "Foi um absurdo o que aconteceu", diz Tasso Rezende de Azevedo, ex-diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro. "Ficamos estarrecidos".

A reportagem é de Daniela Chiaretti e publicada pelo jornal Valor, 25-05-2011.

O assassinato de Zé Claudio, como era conhecido, e de Maria do Espírito Santo aconteceu às 7h da manhã, a 50 km de Nova Ipixuna, sudeste do Estado, na comunidade de Maçaranduba. "Eles vinham no carro deles, indo para a cidade. Tinha uma ponte meio danificada no igarapé. Ele desceu para ver e ali foi a emboscada", conta Atanagildo Matos, diretor da regional Belém do Conselho Nacional das Populações Extrativistas, o ex-Conselho Nacional dos Seringueiros. Zé Claudio foi morto fora do carro, Maria foi baleada dentro do veículo. Uma orelha foi arrancada pelos pistoleiros, conta Atanagildo, o primeiro a ser avisado por Clara Santos, sobrinha de Zé Claudio.
O casal vinha sofrendo ameaças desde 2008. "É um área muito tensa, que vinha sofrendo muita pressão de madeireiros e carvoeiros", conta Atanagildo. "Era a última área da região com potencial florestal muito bom. Claudio e Maria resistiam muito ao desmatamento." Os dois viviam em Nova Ipixuna há 24 anos, em um terreno de 20 hectares no Projeto de Assentamento Agroextrativista (Paex) Praialta- Piranheira, às margens do lago de Tucuruí. Extraíam óleo de andiroba e castanha.
Em palestra em novembro, no evento TEDx Amazônia, Zé Claudio denunciava o desmate. "É um desastre para quem vive do extrativismo como eu, que sou castanheiro desde os 7 anos da idade, vivo da floresta e protejo ela de todo jeito. Por isso, vivo com a bala na cabeça, a qualquer hora".
Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência estava no Fórum Interconselhos quando um dirigente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) deu a notícia. Foi ao Palácio, relatou à presidente Dilma Rousseff e ela determinou ao ministro da Justiça José Eduardo Cardozo que a Polícia Federal apure o assassinato dos sindicalistas.

Link para RedePV - Miguel Jorge: http://redepv.ning.com/profiles/blogs/ativistas-ambientais-sao
-------

Leia também:

Mais um ambientalista assassinado!
Dinho também se despede prematuramente

 
Morte de Dinho - mais um crime! Vão fazer uma "limpeza" nos defensores da Floresta?

LINK: http://t.co/eCHRf6X






 -----

Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente


compromissoconsciente@gmail.com

Escritora - Pós-graduação em RH pela FGV-RJ
International Speaker pelo IFTDO - USA
Porto Alegre - RS - Brasil

2 comentários:

  1. Onde tudo isso vai parar??!! Alguém precisa fazer alguma coisa!!

    Eu fico triste e desanimada com tanta crueldade com pessoas que lutavam pela sobrevivência de nossa floresta, nosso pulmão!

    ResponderExcluir
  2. Triste e desanimada, esta é a minha sensação/sentimento também, Regina! Pois, se ninguém faz ou diz nada, chamam o brasileiro de acomodado e alienado. Quando alguérm faz, se organiza em associações, tem até o aval internacional, é sumariamente assassinado!

    A situação é de caos! E faz tempo!

    Em artigo posterior publico os números recentes de assassinatos de ambientalistas! É assustador!!!

    O governo promete iontervir duramente. Conseguirá? Com todos os envolvimentos...

    PAAAZZZ! menos ganância!!! Todos merecem viver bem!

    ResponderExcluir