segunda-feira, 30 de março de 2015

Harry Potter e o Abuso Animal da turnê da Warner Bros Studios, em Londres


Até a escritora, autora dos livros sobre Harry Potter suplica pelo fim destas turnês com os animais atores. Bichos viajam em pequenas gaiolas, são submetidos a uma vida estressante e os próprios responsáveis, ainda por cima, incentivam as pessoas a comprar sua propria coruja e trancá-la em uma gaiola, em seu lar. "Não precisa nem licença!"


30.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/harry-potter-e-o-abuso-animal-da-turne.html




"Para a maioria das pessoas, as palavras "Harry Potter" trazem à mente as bruxas e bruxos, um elenco de personagens inesquecíveis e uma série de livros best-sellers e filmes infantis. Não abuso animal.

Mas, como parte da turnê Harry Potter da Warner Bros Studios, em Londres, corujas aterrorizadas são suspensas em gaiolas minúsculas e forçadas a realizar truques humilhantes.

Enviamos uma investigadora para ver por si mesma como os animais estavam sendo tratados na turnê, e ela pegou tudo na câmera. Corujas foram vistas bicando suas amarras em frustração e agitação do estresse de ser constantemente expostas à fotografia com flash.



Esse abuso não tem nada a ver com o verdadeiro espírito de Harry Potter. Ele precisa parar!

Por favor, assista e compartilha o nosso vídeo de investigação, em seguida, escreva para a Warner Bros Studios e deixe-os saber que não há nada de mágico sobre a crueldade com os animais.

Sobre o "Animal Actors" tour da Warner Bros. Studio Tour London em Hertfordshire, Inglaterra, fãs de Harry Potter recebem  convite para conhecer a coruja de Harry, o gato de Hermione e outras "estrelas" de animais da franquia de filmes.

Depois de receber muitas reclamações de visitantes preocupados com o bem-estar dos animais, um investigador PETA participou do passeio, para descobrir a verdade.

Uma das corujas está, inclusive, já com a asa lacerada, uma parte sem penas, de tantos tentar se libertar


As conclusões preocupantes incluem:

 - Corujas que estavam claramente angustiadas, suspensas em gaiolas minúsculas e repetidamente forçadas a realizar truques humilhantes - apesar de mostrar relutância clara.

- "Formadores" que supervisionam a turnê mostram negligência grave, tanto no manuseio das aves, bem como para garantir a segurança pública.

- As fotografias com flash são constantemente encorajadas pelo staff, apesar do fato de que as corujas têm uma visão especialmente aguda, olham na escuridão e os flashes representam extrema angústia. As corujas reajem desesperadamente, mascando suas amarras (na tentativa de se libertar) e balançando a cabeça.

- Um instrutor também incentiva as pessoas para tocar as aves assustadas, ignorando sinais dizendo às pessoas para não tocar nas aves. 
Como especialistas em aves confirmam, além de ser estressante para as corujas, isso também interfere com os óleos naturais em suas penas, que é o que as mantêm quentes.



- O treinador irresponsavelmente incentiva os visitantes a comprar suas próprias corujas, afirmando que elas são baratas para comprar e que você "não tem que ter uma licença".
Animais nunca devem ser levados para fora, como se fossem adereços vivos. As empresas frequentemente forçam animais a situações de estresse, altamente antinatural e os mantêm acorrentados em pequenas gaiolas e alguns até mesmo usam métodos de treinamento cruéis nos bastidores.

Estes maus tratos indesculpáveis de animais selvagens sensíveis não tem nada a ver com o que Harry Potter é realmente. Como a própria autora JK Rowling, declarou:

Se alguém tem sido influenciado por meus livros a pensar que uma coruja seria mais feliz fechada em uma gaiola pequena e mantida em uma casa, eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para dizer com tanta força que eu puder: "Você está errado".
Não há nada de mágico sobre a crueldade com os animais. Por favor, peça a Warner Bros Studios para parar de explorar os animais para o entretenimento e acabar com as antiéticas Tours com Atores Animais!"


O texto é integralmente da PETA e foi encaminhado por e-mail. O video consta deste link: Não tem nada de mágico em maltratar animaise no Youtube, consta neste link:
https://www.youtube.com/watch?v=jKYGpTEGbtg 

Faça a sua parte, encaminhe esta cartinha com o texto sugestão abaixo (já está escrito, só que em inglês) - basta preencher seus dados neste link: PETA

Cara Sra. Roots

Fiquei profundamente decepcionado(a) ao saber da PETA como corujas angustiadas são mantidas em gaiolas minúsculas, forçadas a realizar truques humilhantes, expostas a fotografia com flash e serem constantmente tocadas pelo público que acompanha a turnê da Warner Bros - Studio Tour London, sobre Animais atores do filme.

Crueldade para com os animais não tem nada a ver com o espírito de Harry Potter, e não há desculpa para o tratamento de aves selvagens sensíveis ou quaisquer outros animais como adereços vivos.

Por favor, parem de explorar animais para entretenimento. Exorto-vos a parar de usar animais vivos em suas excursões.


http://action.peta.org.uk/ea-action/action?ea.client.id=5&ea.campaign.id=36670&ea.tracking.id=pukaeadv&ea.url.id=380705





Ensine a seu filho, desde pequeno, o respeito e o cuidado para com os Animais! 
Alguns animais são excelentes companheiros para os pequenos, mas seu habitat, seu bem estar e cuidados, precisam ser assegurados.
Muita atenção na hora de escolher o pet! 
Cachorros ainda são os melhores amigos!


Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente

Escritora, Educadora, Blogueira e Colunista
Idealizadora e Coordenadora do Curso Formação para Coordenadores em Jogos e Vivências para Dinâmica de Grupos,
Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela FGV,
Facilitadora de Grupos em Desenvolvimento Humano,
Ambientalista de coração, Vegana.
Certificada como International Speaker pelo IFTDO-VA-USA
marisejalowitzki@gmail.com 

quarta-feira, 25 de março de 2015

Mais um líder indigena que se vai! Morre Laucídio Flores, atleta, guerreiro, professor e diretor Kaiowá


Em um dia recebeu o diagnóstico de tumor no cérebro, no outro, parada cardíaca fulminante!!
incrível isto! em um dia detectam o tumor no cérebro e, no outro, antes da cirurgia, tem parada cardíaca fulminante! Um corpo jovem, atleta em plena forma!...


Rápido demais!

25.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/mais-um-lider-indigena-que-se-vai-morre.html


Morre o professor e diretor Laucídio Flores, aos 37 anos



Faleceu na manhã desta quarta-feira (25) em Dourados o professor e líder indígena na comunidade guarani-kaiowá, Laucídio Flores, aos 37 anos. Ele se preparava para ser submetido à cirurgia para extração de um tumor no cérebro no Hospital da Vida quando teve uma parada cardíaca. Laucídio era diretor da Escola Municipal “Pai Chiquito”, na Aldeia Panambizinho.

Ele havia recebido ontem (24) o diagnóstico do tumor cerebral e diante da gravidade do quadro, os médicos decidiram intervir imediatamente, porém, sem sucesso. Os alunos e professores da escola foram dispensados das atividades escolares até amanhã, quando o corpo do professor será sepultado.

Bi-campeão Brasileiro nos Jogos Brasileiros Indígenas e Tetra no Estadual no lançamento de dardo e campeão Estadual no arremesso de dardo no JAMS (Jogos Abertos de Mato Grosso do Sul) quando esteve representando Dourados, Laucídio Flores foi um dos dois atletas que conduziu a tocha olímpica do Pan-americano que foi realizado em 2007 no Rio de Janeiro, quando ela passou pelo Mato Grosso do Sul.

“O esporte afasta os mais jovens do submundo do crime, do álcool, e principalmente das drogas."

Kika Lopes Nogueira deixa esta mensagem no Facebook: “aprendi tudo sobre nosso povo com vc menino risonho cheio de sonhos sempre querendo ajudar, guerreiro nas noite traiçoeiras cuidando da reserva em suas rondas noturnas, arriscando sua própria vida pra defender seu povo, correndo, rindo, jogando era sempre uma alegria nada mais será igual. Vá em paz meu irmão Binho, GUERREIRO LAUCIDIO, jamais será esquecido Laucídio Flores”.


Laucídio Ribeiro Flores tinha 37 anos de idade e morreu antes de cirurgia

Foto: Reprodução/Facebook
O professor Laucídio Flores, líder indígena na comunidade guarani-kaiowá, morreu na manhã desta quarta-feira (25), quando se preparava para realizar uma cirurgia de extração de um tumor detectado no cérebro.
Segundo lideranças da Reserva Indígena de Dourados, o professor havia se submetido a exames nesta terça-feira (24) quando foi detectada a anomalia cerebral.
Laucídio tinha completado 37 anos de idade em janeiro deste ano e era o diretor da escola municipal indígena Pai Chiquito, que funciona na aldeia do Panambizinho. Os alunos e professores foram dispensados das atividades escolares hoje.

Fontes:
http://www.douranews.com.br/dourados/item/85856-parada-card%C3%ADaca-mata-l%C3%ADder-ind%C3%ADgena-lauc%C3%ADdio-flores

http://www.folhadedourados.com.br/noticias/cultura/morre-o-professor-e-diretor-de-escola-laucidio-flores

http://www.campograndenews.com.br/esportes/bi-campeao-brasileiro-representa-ms-no-encontro-nacional-indigena


ABSURDO - Só ao acaso, constatei as condições do Posto de Saúde de Panambizinho. Olhem o que encontrei:

MS – Sem postos, indígenas são atendidos em meio a entulhos | Combate Racismo Ambiental
racismoambiental.net.br

MS – Sem postos, indígenas são atendidos em meio a entulhos 24 de março de 2015 Destaque - 

Indígenas das aldeias Panambizinho e Jaguapiru em Dourados estão sendo atendidos em meio a entulhos de obras inacabadas de dois postos de Saúde que deveriam ter sido entregues em 2013, mas que estão paralisadas. As unidades fazem parte de um pacote de cinco postos que estavam sendo ampliados e reformados pela Prefeitura de Dourados, porém apenas três deles foram concluídos. Juntos, os investimentos oriundos do Fundo Municipal de Saúde somam R$ 1,8 milhão em investimentos. Cada unidade de Saúde inacabada custou aos cofres públicos o valor de R$ 182 mil.

Estes mesmos investimentos foram alvo de reportagem do JN no Ar em 2011, que denunciou que, apesar da verba estar disponibilizada para a Prefeitura desde 2009 pelo Governo Federal, as obras de reforma e ampliação não haviam saído do papel.

As obras iniciaram em setembro de 2012 e paralisaram em dezembro daquele ano, segundo o Conselho Local de Saúde Indígena. De lá para cá, segundo o conselheiro Reginaldo Aquino da Silva, a comunidade indígena vem sendo atendida de forma improvisada e precária. No posto de Saúde do Panambizinho serviços como Saúde Mental, Serviço Social e programas para idosos e de prevenção a hipertensão e diabetes foram suspensos.

Salas como a do serviço de nutrição e odontologia estão cheias de entulhos e restos de construção, assim como o local onde deveria funcionar os banheiros. Sem água, equipes de Saúde que fazem atendimento no posto duas vezes por semana, não conseguem lavar a mão entre uma consulta e outra. Também ficam sem banheiros, assim como a população atendida no local. Uma fiação irregular e arriscada mantém de forma precária os exames de tuberculose em uma geladeira também improvisada.

A sala de coleta do preventivo não tem janela e o espaço vazio é coberto com papelão. Uma porta teve que ser improvisada para dar o mínimo de descrição as pacientes. Sem portas principais, o posto fica vulnerável a qualquer invasão e roubo de equipamentos que estão todos encaixotados e sem uso porque como a obra está inacabada, também não há energia elétrica e água.

“Por causa disso, uma simples inalação é impossível de ser realizada na unidade, justamente neste momento em que estamos registrando aumento nos casos de gripe entre as crianças. A comunicação entre o posto e as equipes de saúde também ficam comprometidas, porque sem energia não tem como ligar o rádio transmissor”, destaca Reginaldo de Souza, conselheiro do Conselho Local de Saúde Indígena.

Sem local adequado onde deveria funcionar uma farmácia, os medicamentos são armazenados em armários-arquivos numa sala que inunda quando chove devido a falta de janelas. No local também estão expostos todos os prontuários médicos, que são feitos de forma manual porque todos os computadores estão encaixotados devido a falta de energia.

Reginaldo explica que apesar de quase 70% da procura ter diminuído, principalmente nos casos de coleta do preventivo, o posto ainda faz uma média de 400 atendimentos mensais. “Os serviços odontológicos só não pararam porque a equipe faz o trabalho no gabinete odontológico móvel aqui na frente do posto”, destaca.

O presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena, Fernando de Souza diz que está encaminhando um relatório para o Ministério Público Federal sobre as paralisações. “Se as obras não foram concluídas queremos saber onde foram parar estes investimentos”, ressaltou.

Prefeitura

Procurado pelo O PROGRESSO, o secretário municipal de Saúde da Prefeitura de Dourados, Sebastião Nogueira diz que as obras paralisaram porque a empreiteira abandonou os trabalhos. Segundo ele, depois do ocorrido, a Prefeitura imediatamente iniciou o processo de licitação para uma nova empresa que acaba de ser contratada. Por causa disso ele acredita que as obras devem iniciar a qualquer momento, dependendo apenas da nova empreiteira.

Imagem: Conselheiro indígena mostra salas cheias de entulhos, onde índios são atendidos. (Foto: Hédio Fazan)

Mais algumas publicações sobre o tema, neste blog:

Brô Mc's - O grito Rap dos Guarani-Kaiowá



Guarani-Kaiowá devem aprender a trabalhar como qualquer um



A Morte do Líder Karajá na Rio + 20 e a Saga Indígena



Indígenas, ambientalistas e activistas protestam contra hidroeléctrica de Belo Monte





domingo, 22 de março de 2015

Três filhos neste mundão maluco! Uma criança é formatada nas crenças e valores de cada família e comunidade na qual está inserida!


Cidadãos autoconfiantes se forjam em atitudes diárias de Amor, Despreendimento, Apoio e Acolhimento dos pais e responsáveis!


Três filhos neste mundão maluco! Uma criança é formatada nas crenças e valores de cada família e comunidade na qual está inserida!

Por Marise Jalowitzki
22.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/tres-filhos-neste-mundao-maluco-uma.html



Uma mãe comentou:
"Não sei se estou muito sensível com com a gravidez, mas as vezes acho que não darei conta dos meus dois meninos e agora uma menina,  estamos vivendo em um mundo tão louco onde o errado tem mais valor que o correto,  que você tentar entender uma criança ou a você mesmo diante de tanta informação, te deixa debilitado e isso hoje em dia me frustra.

Procuro sempre informações sobre tudo, principalmente o mundo infantil e adolescentes de hoje, tento ser um pouco melhor a cada dia com meus filhos,  mas não os quero tão secos nesse novo tempo."

O que respondi:
É esta a batalha que todos os pais e mães conscientes precisam enfrentar, cotidianamente. O mudo está mesmo bastante às avessas e somente os que possuem uma convicção firme do que acreditam ser o melhor para si e os seus é que hão de conseguir.

Sim, três filhos não é moleza! Mas, de repente, exatamente o fato da terceira ser uma garotinha, vai poder, com a supervisão dos pais, ajudar os mais velhos (homens) a exercitar questões tão necessárias como respeito às diferenças, cuidado, zelo, ceder território, ganhar território, dividir e compartilhar, ganhar em grupo, ajudar, pleitear, negociar, se emocionar.

Força e Perseverança, amiga!

Só o fato de pais estarem conscientes de sua missão, e dispostos a cumpri-la, já é 50% do caminho andado! Mantenham-se unidos enquanto casal, prestem atenção em si e os outros 50% serão Bençãos Recebidas!

Fácil não é, possível, sim!


Amor e ódio, violência ou Gentileza, tudo é aprendido e pode crescer ou não! Depende muito do que é vivenciado e enaltecido na primeira infância.

Há pouco li uma materia onde o jornalista questiona o advento da intolerância e violência, sempre crescente em crianças. Vamos aproveitar este momento para uma reflexão de ordem aprendiz: Quais as sementes de violência e revanchismo que os pais estão plantando em seus filhos? Quais as sementes de Amor e Acolhimento que estes mesmos pais semeiam em seus filhos, regando e cuidando das plantinhas que nascem e que se manifestam nas ações do dia a dia?

A ética de cada lar, de cada escola, de cada comunidade esta constituída nos valores inerentes a cada um desses núcleos e a criança percebe e copia, independente do modelo que lhe está sendo apresentado.

Uma criança é formatada nas crenças e valores de cada família e comunidade na qual está inserida!
Cidadãos autoconfiantes se forjam em atitudes diárias de Amor, Despreendimento, Apoio e Acolhimento!

Marise Jalowitzki​



Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente

Escritora, Educadora, Blogueira e Colunista
Idealizadora e Coordenadora do Curso Formação para Coordenadores em Jogos e Vivências para Dinâmica de Grupos,
Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela FGV,
Facilitadora de Grupos em Desenvolvimento Humano,
Ambientalista de coração, Vegana.
Certificada como International Speaker pelo IFTDO-VA-USA
marisejalowitzki@gmail.com 
compromissoconsciente@gmail.com 



Livro: TDAH Crianças que desafiam 
Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família
Contra o uso indiscriminado de metilfenidato - Ritalina, Ritalina LA, Concerta

Para conhecer mais e adquirir, acesse: 
TDAH Crianças que Desafiam - Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família




sábado, 21 de março de 2015

Por que "deficiente" e não apenas "diferente"?


Nunca entendi porque todo nosso mundo é baseado na tentativa de homogeneizar, sendo que, nunca, em qualquer tempo, ninguém é, nem nunca foi, igual a ninguém!




Por Marise Jalowitzki
21.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/por-que-deficiente-e-nao-apenas.html


Um amigo escreveu:  "voce acha certo colocar uma criança especial no meio dos ditos 'normais'? vai sofrer todo tipo de preconceito e bullying e a criança vai ficar mais traumatizada ainda e pode virar até um assassino no futuro, pensa bem."

O que respondi:
Sei disso e concordo com a necessidade de escolas especiais, haja vista a situação atual de nosso país, com discriminação, com alienação e preconceito. Não há legislação que irá mudar isso!Não será por "obrigação" de uma lei que uma criança será bem tratada! Ela será "aceita", enquanto número de matrícula, terá seu acesso garantido...mas, inclusão é outra coisa! É aceitação das diferenças, é Amor, é Compreensão,

Falando apenas em comportamento: há casos de crianças que são consideradas "deficientes" sendo apenas sapecas (hoje: hiperativas)... ou mais introspectivas e-ou tímidas (hoje: déficit de atenção)... tanta coisa errada!!

Aliás, abomino o termo "deficiente"! Seja nas questões de comportamento, seja nas questões físicas. Deficiente em relação a que? Em relação a quem? A qual "modelo" de perfeição?? A este modelo social falido, que tem como 'referência' pessoas que chantageiam, roubam, fraudam? Esses são os normais, os perfeitos, os que são "escolhidos" para servir de modelo e exemplo??

E, em relação às questões físicas: qual a diferença, por exemplo, entre uma pessoa que anda "normal" e uma que anda "tortinho", ou com muletas, ou em cadeira de rodas. Só porque o maior número de pessoas anda de um jeito, os demais são "deficientes" e precisam ser vistos como "coitadinhos"? Alguém que nasce em nosso meio com alguma "deficiência" veio para que nós, os "normais" exercitemos uma coisa que anda tão, mas tão esquecida: a compaixão (com - paixão), a solidariedade, a ajuda mútua, o auxílio solidário!

É "deficiente" uma pessoa que é surda? Ou ela é diferente, com diferentes maneiras de captar a realidade?
É "deficiente" uma pessoa que é muda? Ou ela é diferente, uma forma diferente de se comunicar, com direito ao aprendizado de Libras, para estabelecer contato com seu próprio linguajar de sinais?
É "deficiente" uma pessoa cega? Ou a sensibilidade dela para perceber todas as coisas é uma lição para todos?
E assim poderíamos enumerar tantas outras diferenças!! Razão de tantos conflitos!

Sou muito, mas muito mais uma criança diferente que sabe abraçar do que tanto adulto falso que promulga leis, que exclui, que abraça uma mãe e diz "máezinha, procura uma escola melhor pra seu filho, que aqui não temos condições de 'tratar' dele..." ... hipocrisia pura! comodismo!

O que toda a sociedade "normal" carece, urgentemente, é olhar pro seu nariz. Por isso é que acredito que os pais devem lutar, sim, pra quebrar este muro de indiferença instituído nas escolas, no ministério da educação, exigir mais atenção e cuidados. Mesmo com a presença do monitor, se todo o demais não evoluir para uma ação mais integralizante (na sala-de-aula, por parte do(s) professor(es), a filosofia da escola em si), nada irá mudar! Esta criança vai continuar sendo discriminada, vai continuar sendo vista como 'um alien', vai continuar se sentindo oprimida, rotulada e alijada.

O que será dos cidadãos "normais" do futuro se não aprendem a conviver e respeitar os diferentes hoje, enquanto todos são crianças??

Sei muito bem como são tratados os profissionais das "cotas" nas empresas... na maioria das vezes: na frente, sorrisinhos condescendentes, nas costas, piada e até raiva por ser um "peso morto ganhando salário"...

Esta hipocrisia social de perfeição precisa ser enfrentada!! Eu faço o que considero a minha parte!

Down - um cromossomo de diferença, capacidade de aprender, apenas em um ritmo mais lento
Onde nos leva toda esta pressa louca dos dias atuais?
Indivíduo dono de um afeto que precisamos urgentemente incorporar em nosso dia a dia.

Hiperativo - características de inquietude, pressa em fazer, alegria e brincadeiras
Onde nos leva toda esta seriedade e sisudez da filosofia do lucro rápido e fácil?
Indivíduo que, quando bem direcionado, leva alegria, bom humor e leveza aos ambientes onde passa.

Desatento - interesses focados naquilo que interessa (características de qualquer pesquisador) - ao invés de tentar "moldar" precisamos ouvir o que ele tem a dizer!!

Obssessivo Compulsivo - cuidados em organizar, em deixar tudo arrumadinho e bonitinho. Como será que se conseguiria preencher os quadros dos arquivistas, dos responsáveis por fichários, por estoques em almoxarifados, não fossem os muito cuidadosos em colocar tudo certo-no-seu-lugar-certo? (Claro, seu também assisti ao filme "Melhor Impossível" e o que foi preciso, ali? Reforço afetivo, alguém que cuida, alguém que ama! Só assim pra 'sair do casulo', como em qualquer outro comportamento tido como 'estranho'. Quando o protagonista do filme mudou? Quando se sentiu motivado e resolvido a apostar em uma pessoa que lhe deu mostras de que também se sentia atraída por ele!! Motivação - qual o motivo que me impulsiona à ação!)

Desafiador Opositivo - bem direcionado, este indivíduo é o típico líder, que leva os outros para a frente, um líder argumentativo em potencial. Precisamos de pessoas que contestem este modelo enlouquecido, que só concebe felicidade através de cifras e posses!!
A criança com estas características precisa de direção, de limites, sim, para que não acabe em um déspota, um ditador, um tirano... mas, ela necessita de conselhos, exemplos, acordos, não de surras, castigos, humilhações, químicas pesadas!

...e assim, um a um, podemos ir enumerando....

Sob uma visão assim inteligente, acolhedora e inclusiva, qual o percentual dos que efetivamente precisariam de medicação tarja preta?



Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente

Escritora, Educadora, Blogueira e Colunista
Idealizadora e Coordenadora do Curso Formação para Coordenadores em Jogos e Vivências para Dinâmica de Grupos,
Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela FGV,
Facilitadora de Grupos em Desenvolvimento Humano,
Ambientalista de coração, Vegana.
Certificada como International Speaker pelo IFTDO-VA-USA
marisejalowitzki@gmail.com 
compromissoconsciente@gmail.com 



Livro: TDAH Crianças que desafiam 
Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família
Contra o uso indiscriminado de metilfenidato - Ritalina, Ritalina LA, Concerta

Para conhecer mais e adquirir, acesse: 
TDAH Crianças que Desafiam - Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família




A quem recorrer quando não querem seu filho na escola. Procure ajuda. Denuncie! Direito à Escola é assegurado pela Constituição


Ministerio Público orienta a quem procurar





Marise Jalowitzki
21.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/a-quem-recorrer-quando-nao-querem-seu.html

A Constituição Federal estabelece a educação como um direito de todos, e leis específicas consideram crime passível de multa e reclusão recusar, cancelar ou postergar o ingresso de um estudante em decorrência de sua deficiência, tanto em instituição pública quanto em privada.

Ao longo das últimas três semanas, a reportagem da Folha de S. Paulo procurou 18 escolas, às quais se apresentou como se fosse mãe de um menino de seis anos com síndrome de Down.

Foram escolhidas escolas localizadas em bairros de classes baixa, média e alta de diferentes bairros da cidade e com mensalidades que variam de R$ 300 a R$ 2.200.

O resultado foi quase de empate: entre as escolas que aceitam a matrícula e aquelas que recusam diretamente ou desencorajam os pais.

Algumas desencorajaram a matrícula sob o argumento de que estavam despreparadas e/ou que não tinham instalações adaptadas para receber a criança.

Uma das instituições exigiu que a família contratasse um profissional para acompanhar a criança na escola. Duas afirmaram que as vagas para alunos com deficiência já estavam esgotadas. Outras duas não deixaram claro se haveria a vaga, e mais duas não responderam ao pedido de informações." (Jornalista da Folha simula ser mãe de criança autista e ouve absurdos em 50% das escolas particulares acessadas. Leia materia no UOL na íntegra AQUI)

Escolas precisam criar parcerias e encontrar soluções conjuntas com pais e especialistas.

O Ministerio Público veda:

- A criação de "cotas" para alunos com deficiência na educação básica. Por isso, o argumento de "já preenchemos o número de vagas para alunos com deficiência" é totalmente inválido e precisa ser denunciado.

- A contratação pelos pais de um acompanhante. Entretanto, mesmo quando pais se dispoem a pagar por tal profissional, face o despreparo das escolas, algumas se negam a aceitar a presença, preferindo "convidar" os pais a levar seu filho para outra instituição. Denuncie.



A QUEM PROCURAR

O Ministério Público aconselha o mesmo que comentamos em outros posts e que consta também no livro TDAH Crianças que Desafiam:

1 - Conversar, tentar abrir um "canal de comunicação" na própria instituição. Procurar a orientadora pedagógica (peça ajuda para a psicólogoa, homeopata ou neuro que esteja atendendo seu filhote), sugerir uma parceria com a escola.
2 - Não resolvendo, ir até a SEC - Secretaria de Educação da cidade ou estado (independente se for escola privada ou pública, todas são vinculadas ao MEC - Ministério da Educação
3 - Não recebendo atenção devida, procurar o Conselho Tutelar (ou Conselho de Educação) e solicitar providências
4 - se nada funcionar, procurar o Ministério Público.
(pág. 254/255 - Livro TDAH Crianças que Desafiam e artigo no blog - Instâncias de Ajuda)

"O Ministério da Educação orienta as famílias que não receberem tratamento adequado a abrirem um "canal de comunicação" na própria instituição.
Se não funcionar, deverão envolver a secretaria de Educação da cidade ou do Estado. Se o problema persistir, a família deverá procurar o Ministério Público ou o conselho de educação." (catracalivre)

Mais sobre o tema:


Por Marise Jalowitzki
05.maio.2014
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/05/tdah-e-dislexia-escolas-que-se-recusam.html





Instâncias de Ajuda - Os casos são
tantos que fica até difícil eleger qual
será mencionado! Pais precisam
munir-se de mais informações e
conhecimentos

TDAH - Problemas na Escola 
Expulsão de Alunos ou "Convidado a se retirar"
Por Marise Jalowitzki











Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente

Escritora, Educadora, Blogueira e Colunista
Idealizadora e Coordenadora do Curso Formação para Coordenadores em Jogos e Vivências para Dinâmica de Grupos,
Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela FGV,
Facilitadora de Grupos em Desenvolvimento Humano,
Ambientalista de coração, Vegana.
Certificada como International Speaker pelo IFTDO-VA-USA
marisejalowitzki@gmail.com 
compromissoconsciente@gmail.com 



Livro: TDAH Crianças que desafiam 
Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família
Contra o uso indiscriminado de metilfenidato - Ritalina, Ritalina LA, Concerta

Para conhecer mais e adquirir, acesse: 
TDAH Crianças que Desafiam - Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família





quarta-feira, 18 de março de 2015

Três semanas de testes em crianças e FDA libera novo psicotrópico para transtorno bipolar


O psicotrópico, usado desde 2009 em adultos, teve apenas três semanas de testes em crianças de 10 a 17 anos e já foi liberado pela FDA

Um comprimidinho sublingual, com sabor cereja, é o novo psicotrópico para crianças que estará disponível no segundo semestre de 2015.

Esta é uma corrida que parece que não acaba mais!




18.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/tres-semanas-de-testes-em-criancas-e.html


FDA Okays Saphris for Pediatric Bipolar Disorder

Caroline Cassels
 DisclosuresMarch 13, 2015

"A Food and Drug Administration (FDA), dos EUA (que o Brasil segue) aprovou um outro antipsicótico atípico para o tratamento de pacientes pediátricos com transtorno bipolar I.

De acordo com um comunicado emitido pelo fabricante da droga, Actavis, asenapina (Saphris) recebeu a aprovação como monoterapia para o tratamento agudo de episódios de mania ou mistos, associados ao transtorno bipolar I em pacientes pediátricos com idade entre 10 e 17 anos.

A empresa observa que a droga é o único tratamento antipsicótico atípico que oferece uma formulação sublingual.

De acordo com a empresa, a aprovação da FDA baseia-se nos resultados de um ensaio em monoterapia de 3 semanas em 403 doentes pediátricos (com idades de 10 a 17 anos), dos quais 302 doentes receberam Saphris duas vezes ao dia em doses de 2,5 mg, 5 mg, ou 10 mg.

Os efeitos colaterais mais comuns do medicamento observados no estudo clínico foram sonolência, tonturas, estranha sensação de gosto, entorpecimento da boca, náusea, aumento do apetite, fadiga e ganho de peso.

Saphris estará disponível para pacientes pediátricos com transtorno bipolar I, no segundo trimestre de 2015, em comprimidos sublinguais de 2,5 mg, 5 mg e 10 mg com sabor de cereja.

"Transtorno bipolar I em crianças e adolescentes é um problema de saúde pública nos EUA. O diagnóstico e reconhecimento de transtorno bipolar I em crianças e adolescentes continua a aumentar, e esta doença geralmente pode ser mais grave em pacientes pediátricos do que os adultos", disse o investigador do estudo Kiki Chang, MD, professor de psiquiatria e ciências comportamentais da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia. "A aprovação do FDA desta indicação pediátrica Saphris é muito importante, porque fornece uma opção de tratamento adicional para crianças e adolescentes afetados por esta condição complexa."

O antipsicótico de segunda geração foi aprovado pela primeira vez em 2009, para adultos. Ele é indicado para o tratamento agudo de episódios de mania ou mistos associados ao transtorno bipolar I em adultos como monoterapia ou como terapia adjuvante ou com lítio ou valproato, e para o tratamento agudo e de manutenção de esquizofrenia em adultos.

Riscos

Riscos da droga incluem morte, ataques isquêmicos transitórios, e acidente vascular cerebral em pacientes idosos com psicose relacionada com demência, e por isso não é recomendado para utilização nesta população de pacientes.

Outros riscos incluem grave comprometimento do fígado, reação alérgica grave, síndrome maligna dos neurolépticos, discinesia tardia (movimentos involuntários e repetitivos), e alterações metabólicas que podem aumentar o risco cardiovascular, incluindo hiperglicemia, dislipidemia e ganho de peso.

http://www.medscape.com/viewarticle/841422?src=sttwit%3Fsrc%3Dstfb 

Como o risco de suicídio é inerente aos portadores de esquizofrenia e transtorno bipolar, é importante aumentar a vigilância. Mais em:
http://pi.actavis.com/data_stream.asp?product_group=1908&p=pi&language=E


Gratidão ao Sandro Teófilo pelo envio do link original.

 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:

terça-feira, 17 de março de 2015

Antigo Leprosário de Itapuã em Porto Alegre ainda abriga residentes



Colônia de Itapuã - Esquecidos pelas famílias, velhinhos e alguns necessitando de cuidados diários, 35 deles ainda permanecem lá. "No auge, eram 2.400" - diz o diretor. "Era muita gente!" - diz o assesor Paulo Roberto. "Tinha quatro, cinco em um mesmo quarto! Alguns se desesperavam mesmo!" 


ex-hansenianos e doentes psiquiátricos


Por Marise Jalowitzki
17.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/antigo-leprosario-de-itapua-em-porto.html



"Canta, Nair!" - propõe Da. Eva. "Não conta a tua história, que aí nem eu me seguro e começo a chorar!"
E a Nair:
"Tão longe, de mim distante, onde irá, onde irá teu pensamento?
Quisera, saber agora, se esqueceste, se esqueceste o juramento!"...

É o Lazareto, ou Hospital Colônia de Itapuã, a Cidade Inventada

Nestas horas de silêncio, quero enviar votos de Paz, Serenidade e Amor a todas as pessoas de Boa Vontade!

E, nesta noite, uma madrugada calma e silenciosa, dirijo em especial uma Prece a todos os que já habitaram e ainda habitam o "Leprosário de Itapuã", aqui em Porto Alegre-RS.

Gente, eu já havia escutado desta Cidade Inventada há mais tempo, um grande complexo, mas, sabe aquilo que é contado pra gente como se já fosse história, aquilo tipo uma página que foi escrita em um momento obscuro, perdido no passado? Sim, pois o complexo até hoje mostra-se bonito no concreto, uma pequena cidade em meio ao mato e com um dos lados dando para o rio (Praia das Pombas). Mas, o fato de as pessoas identificadas pela doença terem sido arrancadas de seus lares para viverem uma vida de exílio, sem direito nem à despedida, foi cruel demais!




Quando soube, agora há pouco, questão de dias, que ainda há residentes-pacientes-sobreviventes lá, entrei em uma pena profunda. Um misto de dó e Respeito, Compaixão e Admiração pela Persistência, Perseverança, os sorrisos complacentes de alguns, o silêncio de tantos, os sopros ao vento dos que já se foram! Tão pertinho daqui, continuam esquecidos pela maioria, a sociedade mal comenta, muitos familiares nem vem visitar, continuam vivendo, continuam contando os dias...

O governo, na atualidade - com Justiça - há de provê-los até o final, "enquanto houver um único", como diz o assessor, um filho criado na Cidade Inventada! Eles foram arrancados de suas casas e do convívio social. Nada mais de direito de circular em nenhum lugar que não fosse na chamada "Ala Suja" daquele Complexo! O mundo se resumiu ali, alguns com algumas fotos, e as lembranças! Nenhuma outra cidade, nunca uma viagem para fora dali! Sequer atravessar os muros da "Ala Suja" para a "Ala Limpa", onde ficavam a enfermaria, os médicos, enfermeiros, funcionários, alimentos e remédios. A eles, os expurgados, expulsos, doentes, estigmatizados, estava reservado o exílio imposto, depois de um sequestro do convívio das famílias.

Quando ouvi o depoimento da Da. Eva, que foi levada para lá com 7 anos, sem saber para onde estava sendo levada, longe dos pais, orfã compulsória, sem saber que ficaria ali a vida inteira (como aconteceu com os quase 2 mil que para lá foram levados!), dói na alma!

"A viagem durou horas e horas. Eles paravam pra descansar no meio do caminho. Muito tempo. 'Pra onde vocês tão me levando?' - eu perguntava! E eles respondiam: 'Pra um lugar bem bonito!"... (dá para imaginar a angústia de uma pequena, separada de seus pais para sempre? Ela, hoje uma senhora idosa, declara: "Eu pensei que não ia aguentar!")

Sim, na Cidade dos Leprosos em Itapuã tinha cadeia, escola, igreja, cemitério! Olaria. Eles mesmos construíram um teatro e área de jogos!

Um homem declara: "Eu não queria ficar ali. Eu sabia que ali não era meu lugar. Mas era!... e é até hoje!"

Muitos tentaram fugir. Alguns conseguiram. Outros, não. Quem era pego fugindo, era preso. Na reincidência, aumentava o número de dias. Vimos até uma sala tipo solitária, sem janelas e muito alta. Sim, na Cidade dos Leprosos em Itapuã tinha cadeia, escola, igreja, cemitério! Olaria. Eles mesmos construíram um teatro e área de jogos! 'Tá tudo lá, ainda, contando silenciosamente as historias de dor, sofrimento e superação.

Todos os moradores dessa cidade peculiar precisavam seguir estritas regras de convivência.

Vários, por desespero, acabaram se suicidando!

O Paulo Roberto Goulart, do serviço administrativo, foi criado no local e trabalha lá há mais de três décadas. Ele comenta: "Eles não eram doentes psíquicos. Tinham a noção total do que havia acontecido. Do que fizeram com eles. E não tinham como sair daquilo! Aí, vários não aguentaram e se suicidaram!"

Entrada do Hospital Colônia de Itapuã - as muretas à esquerda e à direita da foto eram o divisor. Mesmo quando as famílias vinham visitar, não havia o contato físico. Ficavam se olhando de longe.

Quando em 1986 o hospital foi finalmente desativado e os internos compulsórios dispensados, alguns, ou por terem mutilações incapacitantes, sequelas que necessitam de atendimento diário (curativos, etc.), e já idosos, ou também por já terem sido "esquecidos" totalmente por suas famílias, ficaram ali! E estão até hoje.

Há também, na Colônia-Cidade, outros internos, pacientes psiquiátricos que para lá aportaram a partir da década de 80. "Os doentes psiquiátricos oriundos do campo, da lavoura, encontram aqui lugar para continuar suas lides, uma atividade para quando estão em condições."

Hoje alguns dos predios ainda recebem manutenção e, há dois anos, o pão é distribuído nas casas dos que ainda conseguem executar suas tarefas. 


As casas, que, originalmente, eram destinadas aos enfermeiros e funcionários, hoje estão abandonadas e, algumas poucas, utilizadas pelos ex-hansenianos (sim, ex, pois todos estão curados atualmente da doença. A Colônia de Itapuã é considerada a em melhor estado, no Brasil.  Ficou só o preconceito dos que estão de fora.

C-h-o-c-a-n-t-e! Triste! Enternecedor!
O museu ostenta pertences dos internos. Entre eles, fotos de mulheres vestidas de noiva que, depois, foram separadas de sua família. Fotos de mães abraçando suas crianças, uma vida normal, até que foram separadas de suas crianças, de sua vida. Maridos e filhos, separados de seus entes queridos, agora apenas um entre outros desconhecidos. Um drama real, surreal!

vestido de noiva de uma hanseniana











As crianças e jovens que ali estavam, cresceram, casaram.

Por determinação governamental, os bebês eram separados compulsoriamente dos pais logo ao nascer e milhares deles cresceram em orfanatos. Alguns poucos foram adotados sem nunca saber de sua origem

As jovens esposas, ao dar à luz, sequer podiam tocar em seus filhos, que logo eram levados para uma outra ala. Uma vez por mês (por que só uma vez ao mês?) os filhos eram trazidos para que as mães e os pais os pudessem ver, separados por vidros! Quando pequenos, eram colocados em cestos, como os da foto, e expostos para que os pais os pudessem ver. (Sabemos que, como no resto do país, algumas dessas crianças foram adotadas, os nomes de batismo trocados, nenhum laço mais, nenhum vínculo!

Agora, o MORHAN - Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase tenta, desde 1981, retrazer a identidade para os que ainda buscam notícias, além de pleitear uma indenização às crianças nascidas nesta triste situação.)



"Maldição divina" - A Ignorância e o Estigma


A ignorância fazia com que muitos acreditassem que o doente estava sendo punido por um pecado grave e podia contaminar quem estivesse próximo. Só havia uma coisa a fazer: isolar os impuros."

Além da dor, da separação, da segregação, ainda o estigma, a repulsa dos demais.

Nas cidades de origem, receberam a repulsa e a segregação dos vizinhos, amigos, parentes, colegas de escola, pároco... "Leprosa, sai daqui!" - repudiavam uma menina em São Leopoldo, que foi proibida de frequentar as aulas, mesmo antes da determinação governamental do isolamento compulsório. Os pais foram proibidos pelo vigário de assistir missa.

(Na Bíblia - Mateus 10:8 consta como missão dos apóstolos: "Curem os doentes, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios.")

Como a doença se propaga pelo suor e respiração (é um bacilo), este casal de São Leopoldo e a sua menina ficaram infectados e foram, por determinação do governo, levados para a Colônia de Itapuã. A menina foi ficando cega e, anos mais tarde, quando ficou pronto o prédio-cine construído pelos próprios pacientes (!!), nem conseguiu assistir a um filme...

Hoje, dois comprimidos resolvem a questão do contágio! Isso mesmo. Dois comprimidos excluem a chance de contágio. E a doença, se tratada logo, pode efetivamente transformar-se em Cura!



O diretor geral Mogar diz terem sido 'no auge' 2.400 internos. O assessor Paulo Roberto diz: "Era muito sofrimento... chegava a ter quatro, cinco em um mesmo quarto! Alguns não aguentavam e se desesperavam mesmo! E o preconceito continua até hoje. Neste verão fui à praia. Um vizinho parou de tomar chimarrão comigo depois que me viu usando a camiseta em defesa do movimento de reintegração!"




A todos elesuma oração de Paz! 

Boas Vibrações de Luz! 

Votos de um Estágio Melhor em outras Paragens, onde o "agro tormento da saudade" que ainda está nos corações e mente de todos, possa se dissipar e o calor do afeto e do carinho, da presença amorosa, possa ser uma constante, finalmente!



Hanseníase no Brasil, hoje

E, pensando na Hanseníase em si, pensar que ela continua, que o Brasil é um dos países de maior incidência, dá um aperto. Pois o preconceito continua, a desinformação também. E o tratamento, por esta mesma desinformação e descaso, também!

Sabem a talidomida, aquele comprimido que, originalmente foi dado para as mulheres grávidas para curar enjôo e acabou gerando milhares de bebês deformados, com bracinhos e perninhas curtinhos, ou, simplesmente, sem os membros? Pois é, estes comprimidos ainda estão sendo distribuídos, especialmente no interior na região amazônica, como parte do coquetel de tratamento do portador da moléstia de Hansen... Só que, como não avisam convenientemente os familiares, especificando que os medicamentos devem ser tomados somente pelo doente, os demais acabam ingerindo também, quando tem uma indisposição, enjôo, dor de cabeça!! E, assim, inacreditavelmente, continuamos tendo bebês nascendo mutilados! Estatísticas que, caso existam, não são divulgadas, como costuma acontecer em nosso país!

Conscientização! Informação é imprescindível para que as pessoas possam tomar as precauções devidas!





P.S. 1: A canção que é entoada em um dos videos gravados é de Carlos Gomes

P.S. 2: Não consegui descobrir se há um trabalho assistencial, psicoterapêutico, com aqueles queridos idosos que se alimentam de suas lembranças, dia após dia, até o momento da partida.

P.S. 3: Também não consegui saber se há alguma iniciativa de inserção social dos remanescentes, tipo levar alguns, anonimamente, a uma festa, culto religioso, baile, sessão de cinema, tipo dois, três por vez, pra não chamar a atenção de ninguém "lá de fora", pra não correr o risco de novas e totalmente inaceitáveis discriminações. Isto seria tão importante!

P.S. 3: Sobre os doentes psiquiátricos (que são mais que o dobro dos ex-hansenianos lá residentes), não há declarações.


LINKS:

1) Neste site tem um documentário em video muito importante, de qualidade ímpar:
http://www.acidadeinventada.com.br/#presents
O documentário A Cidade é dirigido por Liliana Sulzbach (neste documentário é que as mulheres cantam)

2) A inauguração oficial, todos na "Ala Limpa" - nenhum doente à vista - https://www.youtube.com/watch?v=-TKHvGxzD5E

3) Este é o video com o depoimento da garotinha de São Leopoldo, uma senhora que ficou cega. Faleceu em 2012 - https://www.youtube.com/watch?v=61G8veZoJR4

4) Caça Fantasmas - uma sequência de 3 videos com tomadas interessantes do interior dos prédios - Parte 1 -  https://www.youtube.com/watch?v=EzWBpzmp7SU

5) Vidas à parte - https://www.youtube.com/watch?v=biuXRGdlqOo






 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:


livros editados:
www.marisejalowitzki.blogspot.com.br