sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Lixo Hospitalar infectante será incinerado?


Pergunta - Lixo hospitalar apreendido em contêiner em Suape será devolvido ou incinerado - Foto Katherine Coutinho - G1


Lixo Hospitalar infectante será incinerado?


Por Marise Jalowitzki
21.outubro.2011
http://ning.it/pv6YSj


Gente, há pessoas perguntando se o lixo hospitalar é perigoso, se ele "pode estar contaminado"... RUDO QUE É DESCARTADO para ser incinerado, é tóxico, é infectante, é perigoso, traz risco para a saúde da população, especialmente para os catadores, que manuseiam, quase sempre sem proteção, o lixo a ser recilado.

O descaso e a irresponsabilidade no Brasil é enorme, já que, na maioria das vezes, o lixo hospitalar é descartado JUNTO com o lixo doméstico nos lixões.

E agora, com esse escândalo do lixo hospitalar infectante que virou confecção e foi comercializado, como fica? Qual o destino para o lixo hospitalar apreendido?
O IBAMA tenta a devolução para os EUA do material contaminante importado pelo empresário Altair Moura. Entretanto, há impeditivos, de vez que os Estados Unidos não assinaram a Convenção de Basileia, que estabelece os mecanismos de controle transfronteiriço de resíduos perigosos e sua destinação. Desta forma, o país fica isento de cumprir as regras adotadas pelos demais países, incluindo o Brasil.


Na Bahia, a opção é por incinerar, após resultado oficial da perícia, já que os 820 quilos apreendidos são oriundos de hospitais brasileiros. O comerciante declarou que o produto foi comprado no "sul do país" - provavelmente São Paulo - e envolve Unimed, São Luiz, São Carlos, Panamericano e outros hospitais.


O descarte, via de regra, é feito via incineração nos fornos de clínquer da indústria do cimento. As cimenteiras utilizam a queima de resíduos tóxicos como combustível e acabam usando a escória como componente no fabrico cimento. Tudo tóxico. Tudo com riscos para os trabalhadores, a população do entorno e mais além das cimenteiras (depende da direção dos ventos) e poluindo o meio ambiente.


A opção de melhoria, no caso das cimenteiras, é a utilização de fornos verticais, para que o ar não seja contaminado de imediato e atinja a população diretamente.


Infelizmente, as cimenteiras que utilizam os fornos verticais ainda são em pequeno número.




Comércio criminoso de lixo hospitalar funciona livremente em vários estados do Brasil - Foto G1

Ilhéus:  lixo hospitalar será incinerado após perícia
http://www.atarde.com.br/cidades/noticia.jsf?id=5777624




A polícia aguarda o final das investigações para incinerar os 830 kg de lixo hospitalar apreendidos na loja Agreste Tecidos, no centro de Ilhéus (a 433 km de Salvador), que comercializava o material. Entre os objetos recolhidos, lençóis, fronhas, calças, camisas,  vestimenta própria para cirurgia, jalecos e lenços.


Algumas peças, segundo a polícia, apresentando manchas parecidas com as de sangue humano e outras com a inscrição “infectante” (infecting) .

----
Lixo Hospitalar não deve ser incinerado, diz IBAMA


Agência Estado
Diário do Grande ABC
http://www.dgabc.com.br/News/5921146/lixo-hospitalar-nao-deve-ser-incinerado-diz-ibama.aspx


A atuação do Ibama é no sentido de devolver as 46 toneladas do material apreendido nos contêineres aos Estados Unidos. Quanto aos cerca de 25 toneladas que encontramos e interditamos nas três unidades da empresa que importava o material, infelizmente não tem como devolver. A alternativa é contratar uma empresa especializada em incineração para que o procedimento seja feito com o mínimo de danos para o meio ambiente", explicou Moreira.
 
Segundo o especialista, a empresa já recebeu outros seis contêineres dos Estados Unidos de produtos com as mesmas características. Moreira explicou ainda que entre os objetos apreendidos estão botas, máscaras, lençóis e fronhas, alguns deles com resíduos de sangue, fezes e urina. Ao interditar a empresa pernambucana, o Ibama autuou as suas três unidades - Santa Cruz do Capibaribe, Caruaru e Toritama - em R$ 2 milhões cada pelos danos causados ao meio ambiente.



 
O navio que fez o transporte também está sendo multado em R$ 2 milhões. Por enquanto, ainda não é sabido o que vai acontecer com a empresa americana, já que os Estados Unidos não assinou a Convenção de Basileia, que estabelece mecanismos de controle transfronteiriço de resíduos perigosos e sua destinação, o que isenta o país de seguir as regras adotadas pelos demais países, incluindo o Brasil, que aderiram ao documento internacional.




"O que há é uma articulação via Itamaraty, Ministério das Relações Exteriores e agora governo de Pernambuco para que o material apreendido seja de fato devolvido e, de alguma forma, responsabilizar a empresa americana", finalizou Gustavo Moreira.


-----


Veja mais sobre a queima de resíduos perigosos em fornos de clínquer em:




Resíduos tóxicos são incinerados nos
fornos de clínquer nas cimenteiras


Cimento e Petróleo - Resíduos tóxicos e Legislação
Link: http://ning.it/q4ESTJ









--------
Conheça mais sobre o lixo hospitalar apreendido no link: http://ning.it/pUtc1g



FBI investiga em solo brasileiro, as denúncias de exportação de lixo hospitalar.

Descobriram que a prática é corriqueira também nos hospitais brasileiros! Que Vergonha!

Lixo Hospitalar que vira roupa
Links diversos sobre o escândalo que envolve EUA, Europa e Brasil
(publicados em ordem cronológica de publicação)

Por Marise Jalowitzki
20.outubro.2011
LINK:
http://ning.it/pUtc1g

-------
Comentário:
Ricardo, Maceio
Essa é uma prática antiga no Pernambuco, comprei um lençol vindo de Caruaru, que tem a seguinte inscrição em inglês Presbyterian Health Care Sistem e um simbolo de cruz.

-------

Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente



Escritora, especialista em Desenvolvimento Humano,
Ecologista, pós-graduação em RH pela FGV,
international speaker pelo IFTDO-EUA
Porto Alegre - RS - Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário