sábado, 6 de novembro de 2010

Será que Mayara Petruso pensou nas consequências? É certo que não.


Será que Mayara Petruso pensou nas consequências? É certo que não





Garota que promoveu preconceito na web perde emprego e MPF-SP investiga crime.


Que vai ser do futuro desta jovem?


Que se investigue e que se faça justiça, sim. E que, também, se aproveite o momento para repensar atitudes. É cada vez maior o número de pessoas que aproveitam a rede (e as relações, como um todo) para dizer o que bem querem, do jeito que querem, muitas vezes sem nem pensar naquilo que estão dizendo, que dirá se inteirar do conteúdo sobre o qual estão opinando.

Seguidamente tenho de "apagar" comentários que aparecem em meus artigos, pois "nada a ver". Dou um exemplo: No caso onde explano o mau atendimento da LG e o bom atendimento da VIVO, apareceu um comentário: "Sai daí! Para de ocupar espaço! Vai ver que votou na Dilma!"... só pude sorrir.... e apagar! O que uma coisa tinha a ver com as outras? Será que esta pessoa leu, ao menos, o artigo?

E, com certeza, não acompanha o que escrevo, senão, com certeza, saberia que meu voto não foi nem para Dilma, nem para Serra....

Mesmo com relação ao Movimento Marina. Depois de passado o primeiro turno, o site ficou "jogado às traças" e virou um horror. Xingações, ofensas, defesas de um, acusações de outros, na grande maioria disparates, com termos deprimentes.

Se consideramos "baixaria" o que aconteceu nos debates entre os presidenciáveis é porque somos "diferentes" e fazemos "diferente"... ou não? Pois é, para criticar, e criticar é um belo exercício, temos de nos ater a fatos, manter o foco e procurar manter um bom nível no linguajar! Já pensaram nisso?

Agora, a Mayara vai ter de, no mínimo, contratar um advogado para se defender e, sabe-se lá que outras consequências a situação geradairá ter, simplesmente por querer "promover um bate boca". O emprego já perdeu. Era estagiária. Em Direito.

Porque insisto que foi uma grande besteira, provavelmente ouvida e reouvida em casa e nas relações em geral. TODOS sabem como os nordestinos são chamados pelo Brasil-a-fora: os "cabeça-chata" é o termo mais corriqueiro. Que eles "vem roubar o nosso trabalho", também. Gaúcho, no Brasil inteiro, é chamado de boiola, com piadas fortíssimas, e orgulhoso. Bahiano, continua levando fama de preguiçoso. Paulista, de que só sabe trabalhar e que quer "tirar o couro" de todo mundo. E, por aí vai. 

Essas conversas são o "recheio" de muita celebração, o bate-papo corriqueiro de muito jantar, churrasco, happy-hour, barzinho. Fica gravado no subconsciente. E, quanto mais se ouve e se falam certas besteiras, mais o subconsciente acha aquilo normal, tão normal a ponto de alguém perder a referência e nem avaliar as consequências.

Quem leu as declarações subsequentes da estagiária paulista, pode observar que ela escreveu coisas do tipo: "Ih, parece que consegui! Agora vou virar celebridade! Vou para a tv!" Pura irresponsabilidade. Agora, vai conhecer outras dimensões da fala irrefletida.

Discutir situações reais, com posições reais, visando a melhoria, isto é edificante e necessário. Agora, discriminar, rebaixar, ridicularizar, excluir, isso, com toda certeza, precisa ser controlado e coibido. E responsabilizado.


Que este exemplo sirva para muitas pessoas, que costumam falar o que querem, sem avaliar riscos e consequências, que dirá, pensar no quanto estão ferindo aqueles que recebem a acidez de suas mensagens.


No Terra: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4774205-EI7896,00-MPFSP+apura+se+jovem+cometeu+racismo+contra+nordestinos.html
__________________________________


Artigos relacionados:



Cérebro - Discriminação e preconceito
com o que o enchemos,
com isto responderá


Que Vergonha para os Gaúchos!! OAB pede que a estudante Sophia Fernandes do RS responda pelo crime de racismo

Por Marise Jalowitzki
15.dezembro.2011
http://compromissoconsciente.blogspot.com/2011/12/que-vergonha-para-os-gauchos-oab-pede.html








Mais sobre o tema:

Preconceito é vício que
precisa ser eliminado - Foto RN


PRECONCEITO AO NORDESTE
Marise Jalowitzki
03.novembro.2011



Mayara Petruso irá responder por
preconceito e racismo




WEB NÃO É MAIS "TERRA-DE-NINGUÉM"!

CHEGA DE PRECONCEITO!

Palmas para a seccional de Pernambuco que iniciou processo contra a internauta que difamou o povo nordestino. Tomara que identifiquem todos os demais e chamem à responsabilidade!


Moldamos o nosso mundo com
as nossas idéias
 

Sobre a Mudança Positiva Desejada e o Medo Básico de Comprometer-se 


12.janeiro.2011
http://compromissoconsciente.blogspot.com/2011/01/o-medo-basico-de-comprometer-se.html



Marise Jalowitzki
Compromisso Consciente



Escritora, Educadora, Ambientalista,
Coordenadora de Dinâmica de Grupo,
Pós-graduação em RH pela FGV,
International Speaker pelo IFTDO-EUA
Porto Alegre - RS - Brasil


2 comentários:

  1. Não é o que se fal que tem que mudar. Fica parecendo qe o erro dela foi dizer aquelas coisas, simplesmente. Mas mais do que pensar nas consequencias, ela e milhões de brasileiros deveriam pensar nas CAUSAS do que os levam a falar frases preconceituosas. Pensamentos retrógrados, tacanhos, mesquinhos e xenofóbicos que os fazem pensar serem o centro do mundo,os sem-defeito, a "raça superior". Já vimos cientifica e historicamente o quanto isso é equivocado e mentiroso. Coitada da Mayara, paga pelo erro que muitos cometem. Mas pelo menos serve de exemplo para o restante!
    Obs: Não é o fato das conversas preconceituosas serem comuns que as legitima ou justifica. Preconceito, discriminação regional e racial são uma "merda" em qualquer canto do planeta.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, Caro Pery! Preconceito, discriminação regional e racial e todas as formas de discriminação precisam ser erradicadas. Temos de comentar sobre todas as suas nuances, até para que algumas pessoas entendam a real extensão do preconceito, entranhado que está em nosso dia a dia.

    Certa vez ouvi uma senhora, loira e de olhos azuis, elogiar um negro: "Este é uma pessoa de valor! Um negro de alma branca!" Falava sinceramente! Nem se deu conta que esta sua expressão, mesmo carregada de reconhecimento e carinho, também era discriminatória.

    Quanto mais debatemos os assuntos, mais fácil fica identificar.

    Abraços e grata pela contribuição!

    ResponderExcluir