segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Protocolo de Autópsia - Morte do Menino Matthew devido ao uso prolongado de Ritalina



""Insuficiência Coronária Aguda devido a Doença Isquêmica do Coração devido ao uso a longo prazo de metilfenidato (Ritalina)"- Ritalin, em inglês. Dr. Ljuba Dragovic, o Chefe Patologista de Oakland County, Michigan




Por Marise Jalowitzki
17.novembro.2014
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/11/protocolo-de-autopsia-morte-do-menino.html

Uma amiga enviou neste final de semana o download do Protocolo de Autópsia do menino Matthew Smith, que morreu aos 14 anos, devido a "Insuficiência Coronária Aguda devido a Doença Isquêmica do Coração devido ao uso a longo prazo de metilfenidato (Ritalina) - Ritalin, em inglês. Ela estava chocada e usou o termo "apavorante".

O que respondi:
"Querida Amiga, este foi um dos principais motivos que me levaram a pesquisar, escrever o livro, publicar os artigos e iniciar esta maratona, tanto aqui no face como em colégios, palestras, etc.

No livro TDAH Crianças que Desafiam, capítulo 07, tenho um tópico com o título "CRIANÇAS QUE MORRERAM DEVIDO AO USO DE RITALINA, CONCERTA E OUTROS", onde listo a triste situações de várias crianças que morreram devido ao uso destes psicotrópicos (Ritalina, Concerta, Venvanse, Desipramine, etc.) - págs 126 a 134. Tristes relatos, mas necessário conhecer esta faceta perigosa dos psicotrópicos em crianças!

O menino Matthew Smith foi apenas 1 entre as 186 crianças que morreram pelo uso de tarja preta, apontados em um levantamento feito nos EUA (1990-2000). No Brasil não temos este tipo de estatísticas, embora sejamos o 2º maior consumidor do mundo de metilfenidato (Ritalina, Ritalina LA e Concerta), informação divulgada pela ANVISA (que não inclui todo o mercado clandestino).



" O que é importante notar aqui é que Matthew não tinha qualquer condição cardíaca pré-existente ou defeito." (Heather Smith - Pai de Matthew)





Procuro não pautar meu trabalho apenas neste quesito (que, sem dúvida, amedronta qualquer mãe), procuro esclarecer as mães, não pelo medo, e sim pela conscientização, de que TODO tarja preta traz riscos sérios, que precisam ser analisados, avaliados, medidos, antes de iniciar a medicação, contemporizar benefícios e efeitos colaterais, coisa que, muitas vezes, não acontece, embora conste inclusive da bula.

Repetidamente tenho insistido que médicos CRITERIOSOS realizam uma análise cuidadosa antes de emitir o diagnóstico, acompanham o paciente, ajustam o fármaco sempre que necessário, procuram retirá-lo assim que observam a melhora (ou a piora), pedem também ECG (eletrocardiograma) regular (dentre outros) para observar como anda o coração e todo sistema.

O menino Matthew Smith foi apenas 1 entre as 186 crianças que morreram pelo uso de tarja preta à base de metilfenidato (no Brasil comercializado como Ritalina, Ritalina LA e Concerta), dados apontados em um levantamento feito nos EUA, reportados à FDA programa MedWatch, um sistema de informação voluntária.  (1990-2000). MATTHEW NÃO TINHA PROBEMA CARDÍACO ANTES DE USAR O MEDICAMENTO. Os pais, que ainda hoje choram pela morte de seu filho, uniram-se com outros pais em igual situação e criaram o www.ritalindeath.com - nos EUA. Há centenas de associações naquele país e pelo mundo, pleiteando mais pesquisas, mais divulgação e até indenização, especialmente nos casos de sequelas graves.

Também escrevi um pouco mais sobre isso neste artigo: http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/09/ritalina-nao-pode-ser-usado-por-quem.html  

Sim, concordo contigo. É apavorante, mas não pode ficar só no alarme! Mães precisam solicitar mais acompanhamento. Muitos especialistas defendem que, mesmo nos casos mais graves em crianças, o medicamento não deva ser usado por mais de um ano, máximo dois e, outros especialistas, afirmam que não pode ser administrado antes dos 10 anos.

Abraços e Gratidão pelo Compartilhamento e Cuidados!
Beijos!"



MORTE POR RITALINA
Matthew Smith





Este é um recurso educativo para os pais que estão sendo pressionados para drogar a criança TDAH por um psicólogo escolar, assistente social, professor, ou outro.

Os pais querem o melhor para seus filhos, em muitos casos no início do novo ano escolar os pais estão sendo informados de que seu filho tem TDAH e que a medicação seria um grande benefício.

Entre 1990 e 2000, houve 186 mortes por metilfenidato reportados à FDA programa MedWatch, um sistema de informação voluntária. A FDA declara que os números revelados não representam mais do que 10 a 20% da incidência real. http://www.adhdfraud.org/commentary /1-6-02-2.htm

Em 1998, os Institutos Nacionais de Saúde Consenso sobre o TDAH, emitiram a seguinte declaração: "Nós não temos um teste independente, válido para o TDAH, e não há dados que indicam que o TDAH é devido a um mau funcionamento do cérebro".

Queremos expor os riscos para a saúde, perigos e mortes que são um resultado direto da administração de drogas psicotrópicas para crianças. Estas drogas psicotrópicas dadas a crianças rotuladas com TDAH incluem Ritalina, metilfenidato, Concerta, Dexedrine, Dextrostat e Metadate, só para citar alguns.
 

É o momento para que os pais se unirem e lutar esta guerra terrível contra drogar as nossas crianças, elas que são o futuro da América.

Esta cruzada exige uma frente unida. Se você quiser participar, contribuir e / ou tornar-se um membro ativo desta cruzada justificada por favor contacte -nos.

Espero que a nossa história e informação, de alguma forma possa beneficiar você e seu filho e prevenir a tragédia que passamos, de se tornar realidade e pesadelo dos seus familiares.


Photo of Lawrence Smith testifying in Lansing MI with Representative Susan Tabor
Heather Smith - Pai de Matthew

O nosso filho de 14 anos de idade morreu por uso de Ritalina

O nosso filho de 14 anos de idade Matthew morreu repentinamente em 21 de março de 2000. A causa da morte foi determinada como sendo devido ao uso em longo prazo (idade 7-14) de metilfenidato, um medicamento comumente conhecido como Ritalina.

De acordo com Dr. Ljuba Dragovic, o Chefe Patologista de Oakland County, Michigan, mediante autópsia, o coração de Matthew mostrou claros sinais de danos causados a partir do uso de metilfenidato (Ritalina).

O atestado de óbito diz: "A morte foi causada pelo uso prolongado de metilfenidato (Ritalina)."

Foi-me dito por um dos médicos legistas que o coração de um homem adulto pesa cerca de 350 gramas e que o peso do coração de Matthews era de cerca de 402 gramas. Dr. Dragovic disse este tipo de dano coração está latente e não é facilmente detectado com o teste padrão feito para recargas de prescrição. O teste padrão geralmente consiste de exames de sangue, ouvindo o coração, e perguntas sobre comportamentos escolares, de sono e hábitos alimentares.

* O que é importante notar aqui é que Matthew não tinha qualquer condição cardíaca pré-existente ou defeito.

A história de Matthew começou em uma pequena cidade no interior de Berkley, Michigan. Ele foi avaliado pela escola na primeira série, que acreditava que ele tinha TDAH. A assistente social da escola, Mônica Fuchs, continuou chamando-nos para reuniões. Uma manhã em uma dessas reuniões, enquanto esperava os outros para chegar, Monica disse-nos que, se, como pais, nos recusássemos a levar Matthew ao médico e administrar a Ritalina, os serviços de proteção à criança poderia nos cobrar por negligenciar as necessidades educacionais e emocionais de Matthew. Minha esposa e eu ficamos intimidados e com medo. Acreditávamos que havia uma possibilidade muito real de perder nossos filhos se não cumpríssemos as ameaças da escola.

Monica nos explicou, ainda, afirmando que TDAH era uma desordem cerebral real. Ela também passou a dizer-nos que o metilfenidato (Ritalina) era um medicamento muito leve e estimularia o tronco cerebral e ajudar Matthew a manter o foco.

Nós cedemos à pressão da escola e levamos nosso filho ao pediatra recomendado. Seu nome era Dr. John Dorsey de Birmingham, Michigan. Ao visitar o Dr. Dorsey com a recomendação da escola de usar o metilfenidato (Ritalina), notei que ele parecia frustrado com a escola. Ele nos pediu para lembrar a escola que ele não era uma farmácia. Eu só pude concluir, com o seu comentário, de que não fomos os primeiros pais enviados a ele por esta escola. Dr. Dorsey oficialmente diagnosticou Matthew com TDAH. O teste utilizado para o diagnóstico era de cinco minutos: truque do "lápis girando", resultando em me sendo entregue uma receita de Metilfenidato / Ritalina. (...) 
A voz de Matthew será ouvido por todos.

Ler na íntegra: Lawrence T. Smith http://www.ritalindeath.com/contact.htm

http://web.archive.org/web/20040213001520/http://www.ritalindeath.com/homepage.htm

http://web.archive.org/web/20050304124246/http://www.strattera.ws/submit.htm 
http://web.archive.org/web/20140820234720/http://www.ritalindeath.com/ 

More References


  1. Cardiovascular responses of hyperactive children to methylphenidate. Ballard JE et al., JAMA 1976 Dec 20;236(25):2870-4
  2. A controlled trial of methylphenidate in black adolescents. Attentional, behavioral, and physiological effects. Brown RT, Sexson SB, Clin Pediatr (Phila) 1988 Feb;27(2):74-81
  3. Effects of methylphenidate on cardiovascular responses in attention deficit hyperactivity disordered adolescents. Brown RT, Sexson SB, J Adolesc Health Care 1989 May;10(3):179-83
  4. Attention deficit disorder and the effect of methylphenidate on attention, behavioral, and cardiovascular functioning. Brown RT, Wynne ME, Slimmer LW, J Clin Psychiatry 1984 Nov;45(11):473-6
  5. Methylphenidate's effects on paired-associate learning and event-related potentials of young adults.Brumaghim JT, Klorman R, Psychophysiology 1998 Jan;35(1):73-85,
  6. Effect of methylphenidate on young adult's vigilance and event-related potentials. Coons HW et al,Electroencephalogr Clin Neurophysiol 1981 Apr;51(4):373-87
  7. Open-label treatment of comorbid depression and attentional disorders with co-administration of serotonin reuptake inhibitors and psychostimulants in children, adolescents, and adults: a case series.Findling RL, J Child Adolesc Psychopharmacol 1996 Fall;6(3):165-75
  8. Atrioventricular nodal re-entrant tachycardia associated with stimulant treatment. Gracious BL, Journal of Child Adolescent Psychopharmacology 1999;9(2):125-8
  9. Effects of methylphenidate (Ritalin) on mammalian myocardial ultrastructure. Henderson TA, Fischer VW, Am J Cardiovasc Pathol 1995;5(1):68-78
  10. Biphasic inotropic effects of methamphetamine and methylphenidate on ferret papillary muscles.Ishiguro Y, Morgan JP, J Cardiovasc Pharmacol 1997 Dec;30(6):744-9
  11. Attention deficit disorder and methylphenidate: a multi-step analysis of dose-response effects on children's cardiovascular functioning. Kelly KL, Rapport MD, DuPaul GJ, Int Clin Psychopharmacol 1988 Apr;3(2):167-81
  12. Mechanisms of cardiac and vascular responses to cocaine. Knuepfer MM, Branch CA, Fischer VW,NIDA Res Monogr 1991;108:55-73
  13. Cocaine-induced myocardial ultrastructural alterations and cardiac output responses in rats. Knuepfer MM, Branch CA, Gan Q, Fischer VW, Exp Mol Pathol 1993 Oct;59(2):155-68
  14. Methylphenidate and nortriptyline in the treatment of poststroke depression: a retrospective comparison.Lazarus LW, Moberg PJ, Langsley PR, Lingam VR, Arch Phys Med Rehabil 1994 Apr;75(4):403-6
  15. Effects of background anger, provocation, and methylphenidate on emotional arousal and aggressive responding in attention-deficit hyperactivity disordered boys with and without concurrent aggressiveness. Pelham WE, J Abnorm Child Psychol 1991 Aug;19(4):407-26
  16. Methylphenidate and cocaine have a similar in vivo potency to block dopamine transporters in the human brain. Volkow ND et al, Life Sci 1999;65(1):PL7-12
  17. Methylphenidate decreases regional cerebral blood flow in normal human subjects. Wang GJ, et al., Life Sci 1994;54(9):PL143-6
  18. Absence of cardiovascular adverse effects of sertraline in children and adolescents. Wilens TE, Biederman J et al, J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 1999 May;38(5):573-7






 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

Livro: TDAH Crianças que desafiam 

Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família
Contra o uso indiscriminado de metilfenidato - Ritalina, Ritalina LA, Concerta

Para conhecer mais e adquirir, acesse: 













Nenhum comentário:

Postar um comentário